9 de set de 2011

Conheça as aves de Águas Emendadas - Ave da semana - joão-bobo (Nystalus chacuru)

O joão-bobo é uma ave galbuliforme da família Bucconidae. O hábito de ficarem parados, imóveis, mesmo com a aproximação de uma pessoa, deu-lhe os nomes comuns mais utilizados no centro-oeste. Essa sua estratégia dificulta a detecção, mas facilita o abate, vindo daí o nome de apara-bala ou joão-bobo.
Características
Mede cerca de 18 centímetros. A cabeça é grande em relação ao corpo, com os tons negros e cinza amarronzados fazem forte contraste as áreas brancas ao redor do olho e bico, de cor avermelhada. A coleira branca da nuca liga-se ao tom cinza claro das partes inferiores, em contraste com o dorso amarronzado. A cauda é longa e fina, com uma série de listras finas mais escuras. Pousado, quase não se vê os pequenos pés.
A espécie Nystalus chacuru não apresenta dimorfismo sexual, ou seja, não dá para saber pela aparência qual é o macho, qual é a fêmea.
Alimentação
Alimentam-se de insetos e pequenos vertebrados, como lagartos, marsupiais e pererecas. Apanham suas presas esperando por sua passagem a partir de um poleiro nas galhadas de arvores baixas do cerrado, borda de cerradão e mata.
Reprodução
Possuem um canto alto, chorado, em que parece estar dizendo “chacuru, chacuru”. Ele é mais emitido no período de reprodução (setembro a dezembro), quando pode ser escutado até nas noites claras. Macho e fêmea respondem um ao outro, bem como aos casais vizinhos, formando um longo coro.
Constrói seu ninho em buracos profundos, que cava em barrancos, solo acidentado ou às vezes mesmo em terreno plano, acabando em uma câmara incubatória, onde põe geralmente 2 a 4 ovos brancos e brilhantes.
Habita bordas de matas secas, capoeiras, matas de galeria, campos semeados de árvores, cerrado, caatinga, campos de cultura (cafezais, etc.); ao lado de estrada de ferro, pousando sobre fios elétricos, ruas arborizadas, beira de estradas e parques. Em muitos lugares é comum. Nos locais habitados, usa fios para se empoleirar. Evita entrar nas formações fechadas. Quando fica nervoso ou assustado movimentam a cauda com lentas oscilações laterais e também movimentos circulares; parando a cauda
às vezes fora do eixo, provocando um aspecto estranho; imobiliza-se obliquamente quando assustado. Quando apanhado vivo, finge-se de morto para fugir inesperadamente.
Vive periodicamente em pequenos grupos, que constituem aparentemente famílias (pais com filhotões); pernoitam pousados em galhos, encostando um no outro. Voz: Estrofe trissilábica, trêmula e descendente, macho e fêmea respondem-se mutuamente, “türu türu türu (fevereiro); seqüência prolongada e descendente morrendo terminalmente, “türu…..” (canto), emitido em todas as horas do dia mas mais eloqüentemente após o pôr-do-sol até o anoitecer, quando toda a população local participa da cantoria; “rr-rr-rr” (advertência).
Distribuição Geográfica
Ocorre do alto rio Madeira (Amazonas, Maranhão, Nordeste do Brasil e leste do Peru), ao Rio Grande do Sul, Paraguai, Bolívia e Argentina (Missiones). No sul aparentemente migratório.
Status de conservação: LC Pouco preocupante.
Mapa de registros da espécie
Cidades onde os observadores do WikiAves registraram ocorrências da espécie joão-bobo (Nystalus chacuru). A concentração de pontos em uma região não indica, necessariamente, concentração de aves nesta região pois está relacionado também à concentração de observadores, principalmente nos grandes centros urbanos.
Fotos: Evando F. Lopes

Nenhum comentário: